-> Como se organizar no PCB? -> Contato: pcb@pcb.org.br

Acesse a nova página, clique em: pcb.org.br

Crédito: XXX

Duarte Pereira

Está-se consumando a crônica anunciada e previsível da nova ocupação do Haiti pelos Estados Unidos, desta vez aproveitando o terremoto que devastou o país e sua capital. Os Estados Unidos já desembarcaram 11 mil militares no país. Ontem, com tropas armadas e uniformizadas para combate, transportadas em helicópteros de guerra, ocuparam o palácio presidencial em Porto Príncipe. O aeroporto, não esqueçamos, continua sendo controlado e operado pelos Estados Unidos, que hastearam sua bandeira no local e decidem que aviões podem pousar. Nos últimos dias, deram prioridade a suas aeronaves, principalmente militares, prejudicando o desembarque da ajuda enviada por outros países e por organizações não-governamentais. A prioridade foi a segurança, não a vida da população haitiana, principalmente pobre. O ministro francês da Cooperação, Alain Joyandet, chegou a protestar: "Precisamos ajudar o Haiti, não ocupá-lo." É verdade que, tendo cumprido o cronograma inicial de desembarque de suas tropas, os Estados Unidos poderão autorizar, nos próximos dias, o pouso de um número maior de aviões de outros países, com técnicos e equipamentos para remoção de destroços, médicos e remédios para atendimento dos feridos, água e alimentos para a população desabrigada e desempregada. A essa altura, porém, a possibilidade de encontrar pessoas soterradas com vida será mínima e excepcional.

Leia mais...

Crédito: Latuff

No cenário mundial existem seis processos de inevitável desfecho em curto prazo: a resolução social da crise econômica mundial (com o seu epicentro nos EUA e na Europa), o ataque militar contra as usinas iranianas, a escalada no Afeganistão com a ocupação militar do Paquistão, as ações militares contra o Sudão, a Somália e o Iêmen, novo conflito armado no Cáucaso ou na Eurásia (como parte do teatro da Guerra Fria EUA-Rússia) e um ataque "terrorista" (ou vários) semelhantes ao 11 de setembro na Europa ou nos EUA. Em todos os casos, o "terrorismo" (uma arma estratégica da guerra de Quarta Geração) irá agir como um gatilho de eventos e unificador dos acontecimentos que se avizinham no teatro de conflitos internacionais para a preservação da ordem imperial regente.

Leia mais...

Crédito: Espaço Unitário

Declaração da Plenária Nacional

Resoluções

1 - A chamada crise entre os Poderes Legislativo e Judiciário é na realidade um elemento a mais do plano de desestabilizador que se opõe ao desenvolvimento do processo de mudanças favoráveis à maioria popular no Paraguai. De fato, é parte da crise que vem se agravando desde o pacto para a Constituinte de 1992. Ambos os poderes vem assumindo atitudes ditatoriais. Neste sentido, logo da resolução da sessão extraordinária de 02 de janeiro passado, somada à posição da Suprema Corte de Justiça na noite de 04 de janeiro, dão ao Congresso Nacional a condição de super poder, ao erigir-se como controlador dos demais poderes sem ter ele mesmo um controlador.

Leia mais...

Crédito: Carta Maior

A queda ou degradação integral do governo kirchnerista seria uma ótima notícia para os norte-americanos, pois enfraqueceria o Brasil e reduziria o espaço político da Venezuela, Equador e Bolívia. A recente crise envolvendo o Banco Central mostra mais uma vez a ação de uma nova direita argentina, uma força heterogênea, quase caótica, sem grandes projetos visíveis, impulsionada pelos grandes meios de comunicação que operam como um “partido midiático” extremista. Sua base social é um agrupamento muito belicoso de classes médias e altas que constituíram uma lumpen-burguesia onde se interconectam redes de negócios legais e ilegais. A análise é de Jorge Beinstein.

Jorge Beinstein*

Leia mais...

Crédito: Latuff

Mário Albuquerque*

É preciso que as pessoas, individualmente, e a ampla gama de organizações sociais, profissionais e políticas, que não perderam a memória do quanto custou à nação brasileira a reconquista do Estado Democrático de Direito, fiquem atentas e engajem-se, sob variadas formas, nessa nova e decisiva fase que visa completar e consolidar a construção da moderna democracia brasileira iniciada com a Constituinte de 1988, que é proporcionada pelas propostas contidas no Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH).

O que está em jogo é uma questão simples: o direito do povo brasileiro a ter acesso à verdade sobre sua história. Há uma parte dessa história que está abafada e diz respeito à atuação do Estado brasileiro em relação aos cidadãos que não aceitaram a ilegalidade da ruptura da ordem constitucional democrática, em 1964, por parte de um segmento militar e civil da sociedade brasileira, e se recusaram a submeter-se ao regime ilegítimo, imposto pela força, numa usurpação do poder legítimo oriundo das urnas.

Leia mais...

Crédito: Latuff

Fidel Castro Ruz (publicado por Cuba Debate)

Há dois dias, por volta das 18 horas, hora de Cuba, já de noite no Haiti por sua localidade geográfica, as emissoras de televisão começaram a divulgar noticias de que um violento terremoto, com magnitude de 7,3 graus na escala Richter, havia arrasado severamente Porto Príncipe. O fenômeno sísmico se originou numa falha tectônica situada no mar, numa distância de apenas 15 quilômetros da capital haitiana, uma cidade onde 80% da população habita casas pouco resistentes, construídas de tijolos e barro.

Leia mais...

Crédito: Latuff

Otávio Calegari Jorge*

A noite de ontem foi a coisa mais extraordinária de minha vida. Deitado do lado de fora da casa onde estamos hospedados, ao som das cantorias religiosas que tomaram lugar nas ruas ao redor e banhado por um estrelado e maravilhoso céu caribenho, imagens iam e vinham. No entanto, não escrevo este pequeno texto para alimentar a avidez sádica de um mundo já farto de imagens de sofrimento.

O que presenciamos ontem no Haiti foi muito mais do que um forte terremoto. Foi a destruição do centro de um país sempre renegado pelo mundo. Foi o resultado de intervenções, massacres e ocupações que sempre tentaram calar a primeira república negra do mundo. Os haitianos pagam diariamente por esta ousadia.

O que o Brasil e a ONU fizeram em seis anos de ocupação no Haiti? As casas feitas de areia, a falta de hospitais, a falta de escolas, o lixo. Alguns desses problemas foram resolvidos com a presença de milhares de militares de todo mundo?

Leia mais...

Crédito: ww.spdc.blogger.com.br

Laerte Braga

O jornalista Gilberto Scofield, do jornal THE GLOBE – no Brasil O GLOBO – em contato telefônico com o noticiário EM CIMA DA HORA, edição das 20 horas de quinta-feira, dia 14 de janeiro, disse, entre outras coisas, que não viu as forças “humanitárias” das Nações Unidas coordenando qualquer operação de resgate de vítimas, socorro a desabrigados, feridos, distribuição de alimentos, água, remédios, que o caos é absoluto.

E um detalhe. Segundo o jornalista as forças “humanitárias” estavam guardando propriedades privadas. Não de trabalhadores haitianos, mas de banqueiros, empresários, figuras do governo e latifundiários.

Leia mais...

Nota dos Editores:

Só publicamos nesta página textos que coadunam, no fundamental, com a linha política do PCB, a critério dos editores (Secretariado Nacional do CC). Quando não assinados por instâncias do CC, os textos publicados refletem a opinião dos autores.

Internacional

DKP Partido Comunista Alemão
FPLP Frente Popular de Libertação da Palestina
FDLP Frente Democrática pela Libertação da Palestina
MCB Movimento Continental Bolivariano
Pacocol Partido Comunista Colombiano
PCA Partido Comunista da Argentina
PCB Partido Comunista da Bolívia
PCC Partido Comunista de Cuba
PCFR Partido Comunista da Federação Russa
KKE Partido Comunista da Grecia
PCV Partido Comunista da Venezuela
PCCh Partido Comunista do Chile
PCE Partido Comunista do Equador
PCPE Partido Comunista dos Povos da Espanha
Munkáspárt Partido Comunista Operário Húngaro
PCP Partido Comunista Português
PCL Partido Comunista Libanês
PCP Partido Comunista Paraguaio
PCP Partido Comunista Peruano
PCM Partido Comunista do México
PPP Partido do Povo do Panamá
PRCC Partido Revolucionário dos Comunistas de Canárias
PRCF Pólo de Renascimento Comunista em França
PCU Partido Comunista Uruguaio
TKP Partido Comunista da Turquia
WPB Partido do Trabalho da Bélgica
FRELIMO Frente de Libertação de Moçambique
SACP Partido Comunista Sul Africano
PCS Partido Comunista Sírio
MPLA Movimento Popular de Libertação de Angola
RCI Revista Comunista Internacional
SOLIDNET Rede Solidária
Odiário.info Odiário.info
Resistir.info Resistir.info
Rebelion Rebelion.org
Farc- EP Farc-EP
Diálogos de Paz

Voltar

Sede Nacional: PCB Creative Commons
RUA DA LAPA, 180, conjunto 801. Lapa/RJ. CEP: 20021-180 Partido Comunista Brasileiro
Permitida a reprodução, desde que citada a fonte.

Contato: pcb@pcb.org.br