O centenário do Manifesto Comunista

História do PCB

Por Raul Caldas em 1948, artigo retirado da revista Problemas.

alt

"Um espectro atemoriza a Europa, o espectro do comunismo". É com estas palavras que começa o Manifesto do Partido Comunista redigido numa linguagem elevada e ao mesmo tempo concisa, clara e direta, por Karl MarxFriedrich Engels.

A cem anos de distância — o Manifesto foi impresso pela primeira vez em fevereiro de 1848 — podemos bem avaliará progresso desenvolvido. As idéias de Karl MarxFriedrich Engels triunfaram numa sexta parte do globo: e ali o socialismo domina, preparando o caminho do comunismo. E não é apenas na Europa que o comunismo exerce grande influência, mas no mundo inteiro. E todas as perseguições de que tem sido alvo desde o tempo em que MarxEngels lançaram, no fim do Manifesto, o famoso apelo: "Proletários de todos países, uni-vos!" não têm feito senão aumentar a sua autoridade, aumentando o número dos seus adeptos, não somente entre os operários de todo o mundo, mas entre todos aqueles que possuem idéias progressistas da democracia e da independência nacional. Num mundo em que as forças condutoras do imperialismo ianque, "suprema esperança e supremo pensamento" dos capitalistas e da reação internacional, pretendem atirar a uma terceira guerra, o comunismo aparece de forma cada vez mais firme aos olhos das massas populares de todos os países como a grande esperança da humanidade na luta pelo progresso, pela liberdade e pela paz.

Leia mais...

 

Luiz Carlos Prestes, presente!

História do PCB

Por Heitor Cesar

Dirigente do PCB

alt

 

 

Em 7 de Março de 1990 morria Luiz Carlos Prestes, o Cavaleiro da Esperança, a maior liderança da classe trabalhadora no país.
Prestes foi uma das principais figuras políticas da história do Brasil. Comunista, militante e dirigente do Partido Comunista Brasileiro.

 

Leia mais...

 

A democracia realmente existente: o espaço onde o inimigo de classe não está retrocedendo

Temas em Debate

Jones Manoelimagem

Resumo: O objetivo desse artigo é realizar uma crítica à concepção hegemônica de democracia consolidada na esquerda brasileira e mundial nas últimas décadas: uma perspectiva fundamentada no “consenso conservador” do modelo liberal-parlamentar. Procuraremos mostrar os fundamentos teóricos desse consenso, seus limites e defender como alternativa crítica o resgate da distinção entre democracia burguesa e direitos democráticos; essa distinção é imprescindível nessa conjuntura histórica de regressão democrática.

Palavras-chave: democracia burguesa, luta de classe, direitos democráticos, neoliberalismo.

Atualizado em 25.05.18

Leia mais...

 

Camarada Frank Svensson, presente!

História do PCB

imagemPor Antônio Carlos Mazzeo

O PCB e o Movimento Internacional dos Operários e Trabalhadores perdem uma grande expressão e um intelectual que dedicou sua vida à luta pela emancipação humana. Frank Algot Eugen Svensson, o camarada Frank, Ingressou no PCB em 1963.

Atualizado em 25.05.18

Leia mais...

 

François Chesnais e os impasses do capitalismo

Artigos

imagemPor Eleutério F. S. Prado

Resenha de três textos em sequência, de François Chesnais.

Traduzidos para o português por Eleutério Prado, estão disponíveis em Economia e Complexidade


É preciso começar pelo fim. François Chesnais escreveu em novembro de 2017 uma série de três pequenos artigos para o portal A l’encontreem que atualiza a sua compressão dos impasses atuais do capitalismo globalizado. Na última sentença do terceiro artigo, cita com aprovação uma frase de um filósofo francês muito conhecido por seus trabalhos seminais em sociologia da ciência: “numa perspectiva diferente, compartilho o julgamento de Bruno Latour segundo o qual as classes dominantes já não pretendem governar, mas apenas se protegerem do mundo”. Pois, diante das perspectivas para manter o modo de vida dominante, chegaram à conclusão paradoxal – e que permanece amplamente tácita – de que “não há mais lugar na terra para eles e para o resto dos habitantes do mundo”.

Atualizado em 25.05.18

Leia mais...