Colômbia: governo descumpre o acordado

imagemDepois de oito dias de greve, nos sentamos pela segunda vez com o governo nacional com o objetivo de reinstalar a Mesa Agropecuária e Popular de Interlocução e Acordo – MIA, segundo os acordos do primeiro encontro com o ministro Guillermo Rivera, de 26 de outubro. Porém, apesar de nossa vontade de diálogo e do expresso nesta Ata, recebemos com preocupação a posição ambivalente por parte do Ministério do Interior, pois contrário ao manifestado pelo ministro Rivera, encontramos hoje uma negativa frente à instalação da MIA como garantia de interlocução por parte do vice-ministro da mesma pasta, delegado para o diálogo.

Para as organizações integrantes da MIA, é claro que a reabertura da Mesa é um instrumento absolutamente necessário para garantir a interlocução e a participação real das comunidades que viram nos descumprimentos do Acordo a falta de vontade do Estado, e chegar com esta ao fim último que é a integralidade da implementação do Acordo Final de Paz, não só dos temas referentes ao Programa Nacional de Substituição de Cultivos, mas dos seis pontos que compõem o Acordo e a revisão dos descumprimentos dos acordos de 2013.

Consideramos que não existe vontade do governo quando as respostas são a repressão nos territórios e a procrastinação dos debates em diferentes cenários técnicos, impedindo o reconhecimento das organizações sociais integrantes da MIA como atores sociais e políticos representantes das comunidades, demonstrando claramente o tipo de paz que pensa o governo, esboçada nos escritórios de Bogotá e sem a participação das comunidades dos territórios.

Ante a negativa constante por parte do vice-ministro de instalar a mesa de interlocução e acordos MIA, compromisso já assumido pelo ministro Rivera, nós – organizações nacionais e departamentais que a constituem – declaramos nossa vontade de manter as aproximações para um diálogo que conduza à instalação da mesa e, a partir dela, abordar a discussão. Assim, declaramos que as vidas que se colocam em risco esta noite, amanhã e no transcurso da mobilização, são responsabilidade do Estado, por não garantir as ferramentas necessárias para levar adiante o diálogo, nem as condições reais para a execução do direito ao protesto nos territórios de nosso país. As comunidades não se assustam apesar da ordem nacional existente de desalojar os pontos de concentração da Greve no Catatumbo, Cauca e demais localidades onde nos encontramos. Continuaremos em mobilização até que se garanta a implantação dos pontos solicitados em nossa Nota Nacional.

MESA AGROPECUÁRIA E POPULAR DE INTERLOCUÇÃO E ACORDO – MIA

30 de outubro de 2017

Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)

http://marchapatriotica.org/index.php/somos-marcha-patriotica-2/230-comunicados/4500-a-ocho-dias-de-paro-gobierno-nacional-incumple-lo-acordado