KKE: manifestação anti-imperialista massiva e combativa

imagemBoletim Informativo do KKE (Partido Comunista da Grécia)

Em 17 de novembro, em toda Grécia se levaram a cabo manifestações em homenagem ao 44° aniversário da revolta dos estudantes da Escola Politécnica, que também contou com o apoio dos trabalhadores jovens de Atenas. Foi o momento auge da luta contra a ditadura militar que foi apoiada pelos EUA e a OTAN. A revolta foi violentamente reprimida pela ditadura militar, porém também significou o início de seu fim.

Em Atenas, ocorreu uma grande marcha para a frente da embaixada dos EUA. A Organização Partidária KKE da Região de Ática tinha um cartaz com a consigna “Abaixo os acordos entre o governo e EUA. Nenhuma implicação-participação nos planos e nas intervenções imperialistas” e junto com as organizações da KNE, chegaram às ruas de Atenas com bandeiras vermelhas. A classe trabalhadora, as camadas populares e os jovens com sua participação massiva, dinâmica e organizada na manifestação enviaram uma clara mensagem anti-imperialista contra os acordos entre Tsipras e Trump e contra o envolvimento do país nos planos imperialistas e sua transformação em um trampolim da OTAN.

Na concentração participaram recrutas jovens e em toda a concentração se ouviu a consigna “Os soldados são filhos do povo; não têm nada que fazer fora das fronteiras”.

Na manifestação, participou uma ampla delegação do Comitê Central do KKE encabeçada pelo Secretário Geral, Dimitris Koutsoumpas, que disse nos meios de comunicação: “As lições da Escola Politécnica hoje são mais vigentes que nunca, principalmente depois do acordo entre Trump e Tsipras nos EUA, que prevê a expansão das bases estadunidenses de morte em nosso país, assim como o aumento do equipamento militar para as necessidades da OTAN e não para a defesa de nosso país. E, sobretudo, o acordo desprezível de 2.400 milhões de dólares que deu o governo do SYRIZA-ANEL à indústria militar estadunidense para levar a cabo as intervenções em outros países para seus próprios interesses, enquanto o povo grego sofre as consequências dos memorandos, das medidas antipopulares, e vê suas rendas diminuírem constantemente. Todos eles devem receber uma resposta”.

Manifestações e outros eventos ocorreram em todas as cidades da Grécia. Em Tessalônica, a manifestação terminou fora do consulado dos EUA.
Área de anexos

https://inter.kke.gr/pt/firstpage/