Camarada Frank Svensson, presente!

Camarada Frank Svensson, presente!O arquiteto e militante comunista Frank Svensson, 84 anos, faleceu à primeira hora de hoje, 07/02/2018, em Brasília-DF, após uma vida inteira dedicada à luta pelo socialismo, à docência e a uma arquitetura comprometida com os valores, a cultura e as aspirações da maioria da população. 

Nascido em 1934, na cidade de Belo Horizonte-Mg, Frank ingressou no PCB em 1959 e permaneceu no Partido até hoje, 58 anos depois. Tornou-se arquiteto da SUDENE em 1963, quando teve oportunidade de colocar em prática várias de suas ideias nos campos do urbanismo e da arquitetura, que se expressaram em prédios públicos, áreas comuns e casas de assentamentos rurais e até mesmo em um templo, por solicitação de uma comunidade religiosa.

Entre 1970 e 1973, viveu seu primeiro período como docente da Universidade de Brasília (UNB), até ser impedido de lecionar por lei esdrúxula aprovada pela Ditadura civil-militar implantada em 1964. No exílio, lecionou, entre 1973-1975, em Estrasburgo e Nancy (França), militou no Partido Comunista Francês e integrou a equipe de Oscar Niemeyer, responsável por célebres obras na Argélia. Posteriormente, ensinou na Suécia, nação natal de seus pais, militou no Partido Comunista Sueco e tornou-se Phd em Arquitetura na Universidade de Chalmers (1986).

Após uma passagem por Angola, entre 1980 e 1982, onde assessorou o governo revolucionário na formação das áreas de urbanismo e arquitetura da Universidade Agostinho Neto, voltou ao Brasil em 1988 e se reintegrou à Universidade de Brasília (UNB), onde iria se aposentar em 2002 e passaria a atuar como pesquisador associado. Entre 2003 e 2006, quando ainda não ficara clara a capitulação do governo Lula ao programa da direita, Frank atuou como membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República.

Seu pensamento sobre urbanismo e arquitetura se expressa em vários escritos e projetos, tendo sido sintetizado nos livros: Arquitetura – Criação e Necessidade (EDUNB, Brasília, 1991) e Visão de Mundo – Arquitetura (Ed. ALVA, Brasilia, 2001).

Durante sua trajetória pessoal, profissional e política, Frank foi exemplo inatacável de ética, solidariedade, coragem, seriedade científica, engajamento político em defesa dos oprimidos e fidelidade ao PCB e à causa do socialismo. Seu exemplo e legado sobreviverão para sempre no coração dos militantes comunistas e de todos aqueles que abraçarem as grandes causas em defesa do gênero humano.

Frank Svensson, presente, agora e sempre!

Ilustração: Comissão de Agitação e Propaganda do PCB (CAP-PCB)