Movimentos

OS TRABALHADORES NÃO PODEM PAGAR A CRISE DO CAPITAL

Igor Grabois* O capitalismo vive uma crise no mundo inteiro e os donos do capital tentam resolver essa crise às custas dos trabalhadores. As taxas de lucro caem, os capitalistas paralisam investimentos, freando a expansão do capital. O que ocorre nos momentos de crise é uma grande destruição do capital, seja ele na forma financeira – dinheiro, títulos, ações – seja na forma de mercadoria – máquinas, estoques, empresas. Com isso, o desemprego cresce e os capitalistas tentam rebaixar os salários, reduzindo os custos da força de trabalho. Em nosso país, que vive a crise já há algum tempo, os capitalistas intensificam os ataques contra os trabalhadores. Diversos setores da economia estão demitindo, como a construção civil e o setor automotivo. Investimentos estão sendo cancelados, em função das restrições do crédito e da redução da demanda. Em dezembro, 650.000 empregos foram destruídos no Brasil. Depois de cerca de três anos de aumento, já é visível a redução da massa salarial, sinal dos efeitos da diminuição de postos de trabalho.

A UNE já voltou pra casa, volta pra luta quando?

A UNE já retornou pra sua casa (terreno na Praia do Flamengo, Rio de Janeiro, onde se localizava a sede nacional da UNE, incendiada nos primeiros momentos do golpe de 1964) em uma reparação histórica fruto de uma intensa agenda de mobilização durante a Bienal de Cultura da UNE em principio 2007. Tal mobilização contou com a presença não apenas dos diretores da UNE como do conjunto do movimento estudantil. A UNE está de volta a casa, porém segue longe, muito longe das lutas. Recentemente durante as mobilizações da campanha “O Petróleo Tem Que Ser Nosso” a ausência da UNE foi, além de evidente, preocupante. A UNE não pode sofrer tanta influência direta em seus posicionamentos do seu campo majoritário (UJS / PCdoB). O fato do Presidente da ANP (Agencia Nacional do Petróleo), que é quem organiza os leilões das bacias de petróleo, ser o vice presidente do PCdoB Haroldo Lima não pode impedir que a UNE, com todo o seu peso histórico e de mobilizações fique passiva diante dos acordos na base do Governo Luis Inácio, o Lula.

A RETOMADA DAS GREVES EM 2008

Renato Nucci Junior* Em 2008 estamos assistindo no Brasil uma retomada das lutas sindicais, com o cresci mento no número de greves e paralisações. Conforme dados do Dieese, o número de paralisações e greves até setembro, havia superado os números registrados em todo o ano de 2007, quando ocorreram 316 greves, atingindo o total de 28.519 horas paradas. Em julho, os trabalhadores dos Correios ficaram parados 21 dias. Os metalúrgicos seguiram o mesmo caminho. Em Campinas, a mobilização da categoria envolveu mais de 40 mil trabalhadores de 27 empresas, em paralisações de duração variada, indo de algumas horas até vários dias. Até o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, principal bastião da Força Sindical, impulsionou paralisações por fábrica para forçar os patrões a negociarem um reajuste melhor. Os rodoviários de Campinas literalmente atropelaram a direção do Sindicato, organizando pela base uma paralisação de dois dias que arrancou um reajuste de 10% para os cobradores e 9% para os motoristas. Os bancários paralisaram as atividades em mais de 4 mil agências em todo o país. Por fim, São Paulo conhece há dois meses uma greve dos policiais civis, fato inédito na história da categoria.

Juventude – textos

Notas: Documentos da Secretaria de Relações Internacionais da UJC Jovens Comunistas comemoram os 90 anos da Revolução Russa UJC: jovens trabalhadores discutem a

Sindical

Notas: Acesso ao site da Intersindical Os sindicatos de resultados e a flexibilização disfarçada PCB retira seu apoio político à CUT

Fim do imposto sindical é mais um golpe nos direitos trabalhistas

Ivan Pinheiro* “O imposto sindical é um dinheiro sujo e ilegítimo” (deputado federal Augusto Carvalho, PPS-DF, autor da emenda que acaba com o imposto sindical, cuspindo no prato que comeu) Fui Presidente do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, na virada dos anos 70 para 80. No Sindicato de Brasília, o Presidente era o Augusto. Naquela época, eu aqui, ele lá, o Arlindo em BH, outro Augusto (Campos) em São Paulo, e o Olívio Dutra em Porto Alegre, lideramos inesquecíveis greves e manifestações. Com a força da luta dos bancários, ajudamos a conquistar muitos direitos e aumentos salariais. Tudo com o dinheiro do imposto sindical! E era antes da Constituição de 88: portanto, a existência do imposto tinha a contrapartida negativa do direito de intervenção do Ministério do Trabalho que, aliás, foi usada contra mim e contra o Olívio.

PCB denuncia mais um golpe da direita

Total solidariedade aos moradores do Canal do Anil Antes da realização dos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro, houve uma ofensiva articulada dos governos federal, estadual e municipal para derrubar todas as casas da comunidade do Canal do Anil, vizinha à chamada Vila do Pan, que era o centro de gravidade do evento internacional. Foi uma conjugação de interesses, para “unir o útil ao agradável”: ao mesmo tempo em que procuravam esconder a pobreza e dar impressão de segurança, contemplavam-se os interesses da especulação imobiliária, que está de olho vivo naquela área, cada vez mais valorizada.