Peru

A LUTA DOS POVOS AMAZÔNICOS NO PERU

Crédito: Rádio Mundial COORDENADORA POLÍTICO SOCIAL NOTA À IMPRENSA Informe oficial sobre Bagua, uma afronta ao país, ao povo amazônico e a todos nós. A Coordenadora Político Social (CPS) transmite à opinião pública nacional e internacional sua mais profunda indignação pelo conteúdo do Informe Oficial sobre os eventos de Bagua, orquestrados pelo Governo de Alan García Pérez, que encobre os verdadeiros responsáveis pelos fatos ocorridos em 05 de junho de 2009, que de maneira mal-intencionada acusa os povos amazônicos como responsáveis diretos pelas mortes e por ter se deixado manipular por elementos “externos” como os partidos de oposição, um setor da Igreja e a imprensa independente.

Peru: o sangue flui na Amazônia

Crédito: 4.bp.blogspot.com James Petras Junho de 2009 No início de junho, o presidente peruano Alan Garcia, um aliado de Barack Obama para presidente EUA, enviou blindados de transporte, helicópteros com artilharia, centenas de navios fortemente armados e tropas de assalto para dispersar uma pacífica e legal, um protesto organizado pelos membros das comunidades indígenas da Amazônia do Peru que rejeitou entrada de multinacionais de mineração em suas terras tradicionais. Dezenas de indígenas foram assassinados ou estão desaparecidos, dezenas têm sido feridos e presos pela polícia peruana, mantidos como reféns. O presidente Garcia declarou lei marcial na região para fazer valer o seu mandado unilateral e inconstitucional de concessão de direitos de exploração da mineração às empresas estrangeiras, o que viola a integridade das terras de comunais indígenas amazônicas.

PERU: ESTRATÉGIA FASCISTA CONTRA DIRIGENTES POLÍTICOS E SOCIAIS

Todos já sabem da corrupção do governo ultraliberal de Alan García, enfrentada por diversas lutas, enérgicas e combativas, como a Paralisação Nacional em nove de julho, as lutas em Moquegua, Tacna e Madre de Dios, e a luta pela reconstrução do departamento de Ica. Derrotado em sua intenção de privatizar terras, bosques e água das regiões da selva e das comunidades nativas, e diante da incapacidade de atender às demandas do povo, o governo de Alan García pôs em andamento um plano sinistro de caráter repressivo através da Direção Nacional contra o Terrorismo, obrigando o comparecimento (por bem ou por mal) de Ollanta Humala a suas dependências, e expedindo ordens de detenção para Renán Raffo Muñoz, dirigente nacional do Partido Comunista Peruano, Alberto Moreno, Secretário Geral do Partido Comunista do Peru Pátria Vermelha, Olmedo Auris, vice-presidente da CGTP, Luis Benites, dirigente nacional do Partido Povo Unido/UDP, Carlos Benavides, Jorge Jaime Cárdenas, Julio Céspedes, Yen Campos, Luis Marquina, Roger Tabeada e Felicita Cueva, todos eles dirigentes políticos e sociais de oposição ao regime.