Popular

Entre a Constituição e a coligação

Frei Betto Escritor é autor de Calendário do Poder (Rocco), entre outros livros O governo Lula encontra-se num dilema hamletiano: respeitar a Constituição e desagradar o maior partido de sua coligação eleitoral, o PMDB, ou agradar os correligionários de José Sarney e desrespeitar a Constituição. A Constituição Brasileira de 1988 traz, no bojo, inegável caráter social. Falta ao Executivo e ao Legislativo passá-lo do papel à realidade. Uma das exigências constitucionais é a revisão periódica – a cada 10 anos – dos índices de produtividade da terra. Eles são utilizados para classificar como produtivo ou improdutivo um imóvel rural e agilizar, com transparência, a desapropriação das terras para efeito de reforma agrária.

Confissões do Latinfúndio

Por: Pedro Casaldáliga (Bispo jubilado de São Felix do Araguaia, MT) Por onde passei, plantei a cerca farpada, plantei a queimada.

QUEM MATOU MEU IRMÃO?

QUEM MATOU MEU IRMÃO? *Ruy Guimarães “O mundo não terá fronteirasNem Estados, nem militares para proteger EstadosNem Estados para proteger militares prepotênciasQuando os trabalhadores perderem a paciência(…)” Mauro Iasi Diz o dito popular que agosto é o mês do desgosto. E este agosto de2009 faz a gente pensar se não há um quê de sabedoria nas crendicespopulares. Escândalos escandalosos por todo o país. Como cantava ogrande Renato Russo, “na favela, no Senado [principalmente lá], sujeira pratodo lado, ninguém respeita a Constituição”.

Informe aos amigos sobre a ofensiva da imprensa burguesa contra o MST

Fizemos uma mobilização em todo o país e um acampamento em Brasília em defesa da Reforma Agrária e obtivemos vitórias importantes, relacionadas à solução dos problemas dos trabalhadores do campo. A jornada de lutas conquistou do governo federal medidas fundamentais, embora estejamos longe da realização da Reforma Agrária e da consolidação de um novo modelo agrícola. Além disso, demonstrou à sociedade e à população em geral, que apenas a organização do povo e a luta social podem garantir conquistas para os trabalhadores e trabalhadoras. A principal medida do governo, anunciada durante a jornada, é a atualização dos índices de produtividade, que são utilizados como parâmetros legais para a desapropriação de terras para a Reforma Agrária. Os ruralistas, o agronegócio e a classe dominante brasileira fecharam posição contra a revisão dos índices e passaram a utilizar os meios de comunicação para pressionar o governo a voltar atrás. Estamos atentos. Se no dia 03, data prevista para a publicação da portaria, o governo descumprir o acordo, não vamos aceitar calados.

“Quando matam um Sem Terra”

“Quando matam um Sem Terra” Por: Pedro Munhoz 1. Quem contar traz à memória, sabendo que a dor existe, quando a morte ainda insiste, em calar quem faz a História. Pois quem morre não tem glória, nem tampouco desespera, é um valente na guerra, tomba, em nome da vida. Da intenção ninguém duvida, quando matam um Sem Terra.

TERRA PÚRPURA

TERRA PÚRPURA Por: Daniel Oliveira (Militante do PCB/MG) Dominado o homem Liberada a fome Executado o gesto Disparado o tiro no alvo caído

Acampamento Nacional do MST realiza ato em defesa do petróleo

Brasilia, 17 de agosto, (por Igor Felipe) Os três mil integrantes do MST e de outros movimentos sociais que integram a Via Campesina fizeram um ato nesta segunda-feira (17/8) em defesa do petróleo e da soberania nacional, no Acampamento Nacional por Reforma Agrária, em Brasília. Também participaram da atividade trabalhadores petroleiros e o ex-diretor de Gás e Energia da Petrobras, Ildo Sauer, que integra o Instituto de Eletrotécnica e Energia, Programa Interunidades de Pós Graduação em Energia, Universidade de São Paulo (USP).

PCB denuncia mais um golpe da direita

Total solidariedade aos moradores do Canal do Anil Antes da realização dos Jogos Pan-Americanos, no Rio de Janeiro, houve uma ofensiva articulada dos governos federal, estadual e municipal para derrubar todas as casas da comunidade do Canal do Anil, vizinha à chamada Vila do Pan, que era o centro de gravidade do evento internacional. Foi uma conjugação de interesses, para “unir o útil ao agradável”: ao mesmo tempo em que procuravam esconder a pobreza e dar impressão de segurança, contemplavam-se os interesses da especulação imobiliária, que está de olho vivo naquela área, cada vez mais valorizada.