Popular

Prêmio NOBRE da Paz

Crédito: resistir.info Nota Política do PCB De forma decepcionante, o Prêmio Nobel da Paz de 2009 foi outorgado a Barack Obama por “suas intenções de promover a paz e o desarmamento”. No primeiro momento, houve quem considerasse que se tratou de uma medida positiva, vendo na premiação uma crítica à política genocida de Bush e outros ex-presidentes dos EUA, uma medida que apontaria para um caminho de busca de soluções políticas e econômicas capazes de garantir a sobrevivência da espécie humana.

Manifesto em defesa do MST

As grandes redes de televisão repetiram à exaustão, há algumas semanas, imagens da ocupação realizada por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em terras que seriam de propriedade do Sucocítrico Cutrale, no interior de São Paulo. A mídia foi taxativa em classificar a derrubada de alguns pés de laranja como ato de vandalismo.

Manifesto em Defesa da Democracia e do MST

Crédito: MST “…Legitimam-se não pela propriedade, mas pelo trabalho, nesse mundo em que o trabalho está em extinção. Legitimam-se porque fazem História, num mundo que já proclamou o fim da História. Esses homens e mulheres são um contra-senso porque restituem à vida um sentido que se perdeu…” (“Notícias dos sobreviventes”, Eldorado dos Carajás, 1996).

Entre a Constituição e a coligação

Frei Betto Escritor é autor de Calendário do Poder (Rocco), entre outros livros O governo Lula encontra-se num dilema hamletiano: respeitar a Constituição e desagradar o maior partido de sua coligação eleitoral, o PMDB, ou agradar os correligionários de José Sarney e desrespeitar a Constituição. A Constituição Brasileira de 1988 traz, no bojo, inegável caráter social. Falta ao Executivo e ao Legislativo passá-lo do papel à realidade. Uma das exigências constitucionais é a revisão periódica – a cada 10 anos – dos índices de produtividade da terra. Eles são utilizados para classificar como produtivo ou improdutivo um imóvel rural e agilizar, com transparência, a desapropriação das terras para efeito de reforma agrária.

Confissões do Latinfúndio

Por: Pedro Casaldáliga (Bispo jubilado de São Felix do Araguaia, MT) Por onde passei, plantei a cerca farpada, plantei a queimada.

QUEM MATOU MEU IRMÃO?

QUEM MATOU MEU IRMÃO? *Ruy Guimarães “O mundo não terá fronteirasNem Estados, nem militares para proteger EstadosNem Estados para proteger militares prepotênciasQuando os trabalhadores perderem a paciência(…)” Mauro Iasi Diz o dito popular que agosto é o mês do desgosto. E este agosto de2009 faz a gente pensar se não há um quê de sabedoria nas crendicespopulares. Escândalos escandalosos por todo o país. Como cantava ogrande Renato Russo, “na favela, no Senado [principalmente lá], sujeira pratodo lado, ninguém respeita a Constituição”.

Informe aos amigos sobre a ofensiva da imprensa burguesa contra o MST

Fizemos uma mobilização em todo o país e um acampamento em Brasília em defesa da Reforma Agrária e obtivemos vitórias importantes, relacionadas à solução dos problemas dos trabalhadores do campo. A jornada de lutas conquistou do governo federal medidas fundamentais, embora estejamos longe da realização da Reforma Agrária e da consolidação de um novo modelo agrícola. Além disso, demonstrou à sociedade e à população em geral, que apenas a organização do povo e a luta social podem garantir conquistas para os trabalhadores e trabalhadoras. A principal medida do governo, anunciada durante a jornada, é a atualização dos índices de produtividade, que são utilizados como parâmetros legais para a desapropriação de terras para a Reforma Agrária. Os ruralistas, o agronegócio e a classe dominante brasileira fecharam posição contra a revisão dos índices e passaram a utilizar os meios de comunicação para pressionar o governo a voltar atrás. Estamos atentos. Se no dia 03, data prevista para a publicação da portaria, o governo descumprir o acordo, não vamos aceitar calados.

“Quando matam um Sem Terra”

“Quando matam um Sem Terra” Por: Pedro Munhoz 1. Quem contar traz à memória, sabendo que a dor existe, quando a morte ainda insiste, em calar quem faz a História. Pois quem morre não tem glória, nem tampouco desespera, é um valente na guerra, tomba, em nome da vida. Da intenção ninguém duvida, quando matam um Sem Terra.

TERRA PÚRPURA

TERRA PÚRPURA Por: Daniel Oliveira (Militante do PCB/MG) Dominado o homem Liberada a fome Executado o gesto Disparado o tiro no alvo caído

Acampamento Nacional do MST realiza ato em defesa do petróleo

Brasilia, 17 de agosto, (por Igor Felipe) Os três mil integrantes do MST e de outros movimentos sociais que integram a Via Campesina fizeram um ato nesta segunda-feira (17/8) em defesa do petróleo e da soberania nacional, no Acampamento Nacional por Reforma Agrária, em Brasília. Também participaram da atividade trabalhadores petroleiros e o ex-diretor de Gás e Energia da Petrobras, Ildo Sauer, que integra o Instituto de Eletrotécnica e Energia, Programa Interunidades de Pós Graduação em Energia, Universidade de São Paulo (USP).