Mês
setembro 2009

HONDURAS: Nota Política do PCB

Golpistas: respeitem a Embaixada brasileira! Pela imediata suspensão do estado de sítio em Honduras e a volta de Zelaya à Presidência!

A Guerra no Século XXI

A Guerra no Século XXI ou A terceirização da guerra Entrevista a Dario Azzelini, pesquisador italiano das “novas guerras” “A guerra não é mais para instalar outro modelo econômico: ela é o modelo” Natália Aruguete e Walter Isaía PÁGINA 12 Buenos Aires, 29/6/08

Economia mundial, corporações transnacionais e economias nacionais

“Até o momento nada indica que a crise tenha chegado ao fundo” por Grupo de Trabalho do CLACSO [*] Os integrantes do Grupo de Trabalho do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais ( CLACSO ) sobre “Economia mundial, corporações transnacionais e economias nacionais” reunidos na cidade de Buenos Aires durante os dias 2 e 3 de Setembro do ano em curso com a finalidade de analisar a Crise capitalista mundial, as propostas de superação e seus impactos na América Latina, após um intenso e frutífero intercâmbio de opiniões, manifestam:

UNASUR, ALBA E OS POVOS

Fernando Ramón Bossi * Qualquer análise sobre a UNASUR, deve ser feita no marco da mudança da correlação deforças que aconteceu na América do Sul a partir da chegada ao poder de forças progressistase revolucionárias. Sem esta condição, a UNASUR simplesmente não existiria. A UNASUR, aALBA e a revitalização do Grupo do Rio são conseqüências diretas desta nova correlação deforças. A simples existência da UNASUR deve ser considerada como um avanço significativopara os interesses de nossa região, ainda que fosse somente um espaço para o debate.Mas, seríamos ingênuos se acreditássemos que as forças neoliberais, oligárquicas estejamderrotadas. É sempre bom recordar aquela frase do grande revolucionário russo, Lenin,quando assinalava: “Se os exploradores são derrotados somente em um país, e este é,naturalmente o caso típico, porque a revolução simultânea em vários países constitui umaexceção rara, seguirão sendo, não obstante, mais fortes que os explorados”. Na América doSul se deu o caso de que os exploradores estão sendo derrotados somente em três países(Venezuela, Equador e Bolívia); nos demais, em menor ou maior medida, seguem exercendoseu poder hegemônico.

Manifesto em Defesa da Democracia e do MST

Crédito: MST “…Legitimam-se não pela propriedade, mas pelo trabalho, nesse mundo em que o trabalho está em extinção. Legitimam-se porque fazem História, num mundo que já proclamou o fim da História. Esses homens e mulheres são um contra-senso porque restituem à vida um sentido que se perdeu…” (“Notícias dos sobreviventes”, Eldorado dos Carajás, 1996).

Haiti: Tropas de ocupação da ONU são denunciadas por maltratos, roubos e homicídios

A MINUSTAH mais uma vez no banco dos réus Wooldy Edson Louidor Alter Presse, 27-8-2009 Durante o mês de agosto do presente ano, a missão da Organização das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH) tem sido novamente objeto de múltiplas denúncias por maltratos, roubos e homicídio que teriam cometido os seus capacetes azuis contra cidadãos haitianos em bairros populares de Porto Príncipe e na fronteira com a República Dominicana.

As reservas brasileiras de petróleo são para resolver nossos problemas sociais, não para enriquecer as multinacionais

Crédito: APN (Nota política do PCB) PCB propõe um amplo movimento de massas que exija a convocação de um PLEBISCITO, para que o povo brasileiro se pronuncie soberanamente sobre a REESTATIZAÇÃO DA PETROBRÁS. As reservas anunciadas da camada pré-sal são de grande magnitude, capazes de sustentar o consumo brasileiro e de possibilitar grande volume de exportações pelos próximos 20 anos, igualando o Brasil aos grandes produtores do Oriente Médio e possibilitando uma maior autonomia brasileira em relação aos países capitalistas desenvolvidos. É uma boa notícia, nestes tempos de crise econômica internacional.

Dirigente popular critica manutenção dos contratos de concessão para áreas leiloadas do pré-sal

Ele defende a volta do monopólio estatal do petróleo e a suspensão dos leilões abertos à iniciativa privada. Por Lúcia Rodrigues O representante da campanha O petróleo tem que ser nosso e militante da Consulta Popular, Ronaldo Pagotto, considera que a proposta apresentada pelo governo federal para a extração do petróleo encontrado na camada pré-sal é uma tentativa de conciliação de interesses antagônicos da sociedade.