Venezuela

USAID financia os partidos políticos e grupos de oposição na Venezuela

Crédito: USAID Segundo o relatório anual de 2009 sobre as atividades da USAID na Venezuela, 32% dos seus fundos bilionários foram investidos em grupos estudantis e juvenis ligados à oposição. Dos 7,45 milhões de dólares entregues a grupos e projetos políticos na Venezuela em 2009, a maioria foi destinada a “promover o debate político entre os estudantes para elevar o nível do discurso sobre algumas das questões mais importantes para o povo venezuelano” e para “reforçar o uso de novas tecnologias de mídia (como o Twitter e o Facebook), melhorando o acesso à informação e permitir o debate aberto e produtivo na Internet”.

DECLARAÇÃO DE CARACAS

Crédito: www.conbolivar.org Aos 185 anos da transcendente batalha de Ayacucho que pôs fim ao colonialismo espanhol e deu início a nossa primeira independência … Desde Caracas, local de nascimento do Libertador, a capital da revolução bolivariana liderada pelo comandante Chávez, declaramos aos povos do mundo: Somos Movimento Continental Bolivariano, depois de transitar através da trajetória de sucesso da Coordenadora Continental Bolivariana (CCB). Somos Movimento Continental Bolivariano (MCB), para assumir com inteligência e paixão revolucionária a causa heróica da Pátria Grande e do socialismo emancipador.

Alan Woods do Congresso extraordinário do PSUV

Chávez fez um discurso radical de esquerda, convocando para o estabelecimento de uma nova internacional, explicando que era necessário destruir o Estado burguês e substituí-lo por um estado revolucionário.

Um retrato honesto da Venezuela

(Resenha do livro “A Revolução Venezuelana”, de Gilberto Maringoni) Igor Fuser* Na lista dos demônios da mídia empresarial, o posto número 1 pertence, disparado, a Hugo Chávez, com sua boina vermelha e língua ferina. Raramente se passa um dia sem que alguma publicação da chamada “grande imprensa” despeje regulares doses de veneno contra o presidente venezuelano, apresentado como louco, fanfarrão, ditador ou incompetente. Essa cantilena se mantém há mais dez anos. Para ser exato, desde o início de 1999, quando o antigo coronel iniciou, após sua chegada ao governo, a transformação de um dos países de estrutura social mais iníqua no planeta – mais de 50% dos habitantes na miséria, em contraste com os lucros nababescos das exportações de petróleo – em uma referência mundial para todos os que cultivam os valores da justiça e da igualdade.

PCB SOLIDÁRIO COM A REVOLUÇÃO BOLIVARIANA E O PARTIDO COMUNISTA DA VENEZUELA

O PCB (Partido Comunista Brasileiro) considera que a revolução antiimperialista que se desenvolve na Venezuela, que conta com nossa solidariedade, não seria possível sem a liderança do Comandante Chávez, que extrapola as fronteiras de seu país. Provavelmente, os positivos processos de mudanças sociais que se desenvolvem na Bolívia e no Equador, e talvez no Paraguai, teriam dificuldade de vicejar, não fora o pioneirismo da “revolução bolivariana”, que também tem contribuído para ajudar Cuba a romper o famigerado bloqueio que lhe impõe o imperialismo norte-americano. Mas, se é verdade que a revolução venezuelana não se faria sem Chávez, é também verdade que ela não se faz apenas com Chávez nem apenas com seu partido, o PSUV.

Dois partidos e uma revolução

Ivan Pinheiro* Nada mais representativo das contradições e disputas num processo revolucionário do que a posição diferenciada de dois partidos aliados sobre um mesmo fato político. Reparem abaixo, em notícias extraídas da mesma fonte, a coerência de duas organizações partidárias venezuelanas. O PSUV, coerente na sua função de base principal de sustentação política de Hugo Chávez; o PCV, coerente com sua prática de unidade e luta, marcando sua independência e sua gênese internacionalista e proletária. E ainda queriam alguns que o processo revolucionário na Venezuela tivesse um partido único, ao invés de uma frente única!

Palestra de Ivan Pinheiro sobre Venezuela

Ivan Pinheiro, Secretário Geral do PCB, fala sobre o processo político da Venezuela: Derrota no referendo pode abrir caminho para a revolução socialista. “Foi melhor perder de pouco do que ganhar de pouco. Nós iríamos ganhar mas não íamos levar”. A afirmação é do secretário-geral do PCB, Ivan Pinheiro, sobre o plebiscito constitucional recentemente ocorrido na Venezuela. Ivan, que foi um dos observadores internacionais do “Sim”, proferiu palestra na Associação Brasileira de Imprensa sobre o processo político da Venezuela. Segundo Ivan, o resultado do referendo, uma derrota pontual para o governo Chavéz e os revolucionários de todo o mundo, pode se transformar em um caminho para a revolução socialista na Venezuela.