Solidariedade a Palestina

Declaração da Frente Democrática pela Libertação da Palestina, no aniversário de 21 anos da aprovação do Documento da Independência

Crédito: FDLP FDLP A unidade é o caminho da vitória, e a divisão conduz ao fracasso e à derrota; Não permitiremos as guerras de extermínio contra a Resistência e a OLP Ao nosso grande povo na pátria e no desterro Dia 15 de novembro de 1988, na capital da Argélia, o Conselho Nacional Palestino aprovou o Documento da Declaração da Independência, baseado no fundamento jurídico de consagrar o estado palestino como um direito histórico e natural do povo palestino e pelos sacrifícios de gerações em defesa da liberdade e da independência. O Documento, que foi reconhecido por mais de 120 países, se apóia na força da legitimidade internacional contraída nas resoluções das Nações Unidas desde 1947 e no direito do povo de exercer a autodeterminação, a independência política e a soberania sobre sua terra.

Repúdio ao terrorismo do Estado de Israel

Crédito: coletivotrinca.wordpress.com PARTIDO COMUNISTA BRASILEIRO – PCB Acesse o blog SOMOS TODOS PALESTINOS O Comitê Central do PCB vem a público manifestar seu repúdio ao massacre criminoso que está ocorrendo na Faixa de Gaza, promovido pelo Estado sionista de Israel que, sob o pretexto de combater o terrorismo, ataca pessoas indefesas, em sua grande maioria crianças e mulheres palestinas que moram na região, vítimas de bombas jogadas sobre casas, escolas e locais de trabalho. Tecnologias militares modernas são usadas covardemente contra um povo proibido de ter forças armadas convencionais e de obter armamento para se defender.

Mais de mil participam de ato de solidariedade à Palestina no Rio

Cerca de mil pessoas participaram de um comovente ato público nesta quinta, 8, na Cinelândia, no centro do Rio, em solidariedade à luta do povo palestino. Da Cinelândia, os manifestantes saíram em passeata até a porta do Consulado dos Estados Unidos. Em protesto, jogaram sapatos sobre as paredes do consulado, num gesto simbólico de repúdio ao imperialismo estadunidense, que lembrou a sapatada atirada contra o presidente George W. Bush. As bandeiras dos Estados Unidos e de Estado terrorista de Israel foram queimadas.Ao mesmo tempo em que a população do Rio se manifestava em apoio à causa palestina, os bombardeios israelenses à Faixa de Gaza se intensificavam. Um telefonema direto da Palestina, a um familiar residente no Brasil, informava que pessoas estavam soterradas sobre os escombros, sem receber ajuda, ambulâncias serviam de alvo “e quem escapava dos bombardeios era atingido por metralhadores, por terra”. A maioria das vítimas era formada por mulheres e crianças.