Mês
novembro 2008

NOTA OFICIAL DO PCB SOBRE O PROCESSO CONTRA O GOVERNADOR DA PARAÍBA

A respeito da confirmação, por parte do TSE, da decisão do TRE da Paraíba de cassar o mandato do Governador do Estado, vem o Comitê Central do PCB a público, no sentido de esclarecer: 1 – O processo judicial foi uma iniciativa do Sr. José Calistrato Cardoso Filho (ex-Presidente do PCB no Estado da Paraíba, até setembro de 2006), sem o conhecimento prévio da direção regional e nacional do Partido. 2 – Logo em seguida à propositura da ação, nosso Comitê Central desautorizou e destituiu esse ex-presidente, que atuava para tentar coligar o PCB no Estado com partidos conservadores, contrariando decisão nacional no sentido de que o Partido apresentasse um candidato próprio a Governador na Paraíba.

A ESQUERDA E A SOLIDARIEDADE ÀS LUTAS NA AMÉRICA LATINA

Crédito: PCB Ivan Pinheiro* Mesmo pessoas progressistas e bem informadas acham que quem é de esquerda é “esquerdista”. Faz sentido, pois chamamos de “direitista” quem é de direita. Mas no campo da esquerda, em função da grande diversidade de idéias e posições, há os “direitistas” e os “esquerdistas”, conforme o nosso jargão. Vejamos, como exemplo, a posição de alguns setores da esquerda brasileira frente ao processo de lutas por que passam alguns países da América Latina. Os “direitistas” são aqueles que nunca enxergam (ou não querem enxergar) qualquer raio de luz do socialismo no escuro túnel da hegemonia burguesa. Amortecem a luta de classe, iludem as massas. Acham que é possível reformar e humanizar o capitalismo.

Proletários de todo o mundo, uni-vos!

Pronunciamento de Ivan Pinheiro, Secretário Geral do PCB, em nome do Partido, no X Encontro Mundial de Partidos Comunistas e Operários. Camaradas: O PCB, o mais antigo partido político brasileiro, fundado em 1922, saúda os comunistas do mundo todo. Estamos em casa. Não por estarmos no Brasil. Nosso país é o mundo. Estamos em casa, porque o lugar do Partido Comunista Brasileiro é o movimento comunista internacional. Fundado sob a influência da Revolução Russa, o PCB se orgulha de ter sido solidário ao Partido Comunista da União Soviética – em que pesem algumas diferenças e críticas – até a derrocada das experiências de construção do socialismo no leste europeu. Há 50 anos nos solidarizamos com a gloriosa Revolução Cubana. Custe o que custar, o movimento comunista internacional contou e conta com o nosso Partido, nas vitórias e derrotas, nos erros e acertos.

A tragédia da social-democracia retardatária no Brasil

Crédito: PCB E agora, José? A festa acabou a luz apagou a noite esfriou o povo sumiu E agora, José? Carlos Drumond de Andrad por Edmilson Costa [*] A crise que o País e, especialmente, o Partido dos Trabalhadores, vem enfrentando enseja um debate aprofundado sobre o papel da esquerda no século XX e nestes primeiros anos do século XXI. Se não avaliarmos as raízes mais profundas da crise, não poderemos compreendê-la em sua plenitude e, muito menos, tirar as lições necessárias para uma retomada da luta social e da esquerda classista como referência revolucionária no Brasil. Em linhas gerais, a esquerda foi protagonista de três grandes momentos importantes da história do País:

PARAGUAI, ENTRE LULA E A SOJA

Raúl Zibechi A potente mobilização dos camponeses paraguaios está revelando sérias contradições regionais e forçando o governo de Fernando Lugo a definir-se em relação à prometida reforma agrária. Com a ascensão de Lugo à presidência, os de baixo sentiram que chegou a hora de começar a resolver injustiças históricas e decidiram começar a cobrar a fatura. Até hoje a repressão provocou um morto e dezenas de feridos e detidos. Os camponeses estão ocupando terras dos grandes proprietários plantadores de soja, muitos deles brasileiros, os chamados brasiguaios. No Paraguai a soja tem crescido de forma exponencial, aproximando-se dos três milhões de hectares na colheita de 2007/2008, sendo o país o quarto exportador mundial. O outro lado dessa expansão da soja é a migração massiva de camponeses. Em 1989, quando caiu a ditadura de Alfredo Stroessner, 60% dos paraguaios viviam no campo. Hoje este índice não chega a 40%.

Obama foi eleito para defender os interesses dos Estados Unidos

Nota da Comissão Política Nacional do PCB Após oito anos de domínio republicano, o povo norte-americano realizou um feito inédito: elegeu pela primeira em sua história um presidente negro, filho de pai africano e nascido fora do território continental dos Estados Unidos. Trata-se de um fato realmente histórico, levando-se em consideração que até meio século atrás o racismo era praticado nos Estados Unidos de modo muito semelhante ao que era realizado na África do Sul. Portanto, a eleição de Obama contém um simbolismo especial e representa um enorme desejo de mudanças por parte do povo dos Estados Unidos.

Vergonha e Desgraça na Agressão Estadunidense

Comunicado do Partido Comunista Sírio O imperialismo estadunidense somou mais um crime brutal à sua já péssima ficha. Quatro helicópteros estadunidenses violaram a soberania de nosso país e atacaram cidadãos inocentes e pacíficos, tendo como resultado oito mártires e alguns feridos. Esta agressão traiçoeira não é estranha aos Estados Unidos (que têm exercido a profissão de violar e quebrar as convenções e legislações internacionais), e mostra o real teor fascista do imperialismo estadunidense, enquanto erram de forma leviana em sua política destrutiva e em meio à sua crise econômica. O Partido Comunista Sírio condena e abomina este crime brutal e avisa ao império estadunidense que este terá de arcar com todas as conseqüências desta sua ação. O partido chama o boicote completo aos interesses estadunidenses, e convida a todos os povos do mundo e às forças nacionais e progressistas a condenarem esta agressão e a assegurar a importância e a urgência de trabalharmos na mais ampla frente internacional antiimperialista.

Declaração do Encontro de Partidos Comunistas e Operários da União Européia

Vinte e três Partidos Comunistas e Operários, de vinte estados-membros da União Européia, além de países em processo de ingresso, participaram, em Atenas, nos dias 14 e 15 de março de 2008, de um encontro com o tema, “O Novo Tratado, expansão da UE e as lutas populares”. Vários partidos, que não puderam participar, enviaram mensagens de apoio a esta iniciativa. Os participantes do encontro avaliaram positivamente as diversas iniciativas, campanhas de mobilização e comunicados conjuntos do ano passado. Foi destacada a importância de aumentar as iniciativas conjuntas e unitárias nos movimentos e instituições, e o estímulo de meios de cooperação e mais frentes amplas de luta, respeitando a autonomia e a soberania de cada partido.