Mês
Janeiro 2010

CARTA ABERTA, ASSINADA PELO PCB, À REPRESENTAÇÃO DO EGITO NO RIO DE JANEIRO

Crédito: coletivotrinca.wordpress.com Solidariedade ao Povo Palestino Excelentíssimo Senhor Presidente da República Árabe do Egito Hosni Mubarack Rio de Janeiro, 21 de janeiro de 2010. Nós, brasileiros, signatários desta carta, abaixo assinados, lideranças políticas, sindicais, intelectuais, parlamentares, partidos políticos e entidades representativas de diversos setores da sociedade civil brasileira, estamos profundamente chocados e apreensivos com o drama vivido pelos nossos irmãos que vivem nos territórios ocupados da Palestina, especialmente em Gaza de onde nos chegam diariamente as mais terríveis notícias sobre o aprofundamento da desumana agressão do Estado de Israel sobre uma população desprotegida, profundamente ferida, cujas vidas vem sendo usurpadas dia após dia com a imposição de um bloqueio cruel que, na prática, os impede de retomarem suas vidas após os bombardeios levado a cabo pelo exército israelense no final de 2008 e início de 2009.

60 ANOS DE LUTA PELO SOCIALISMO

Crédito: PCB A UNIDADE POPULAR, META PERMANENTE O Partido Comunista da Bolívia nasceu com a insígnia da liberdade. Nosso principal periódico adotou esse nome desde seu primeiro número, há 60 anos. O primeiro manifesto, de agosto de 1950, abordou a política unitária da seguinte maneira: “(o PCB) se dirige a toda nação, conclamando a unidade para a luta, para a construção de uma poderosa FRENTE DE LIBERACIÓN NACIONAL que sepulte para sempre a burguesia feudal”, visando o cumprimento de um programa democrático, antiimperialista, anti-oligárquico e anti- feudal. Para as eleições de 1951, propusemos ao MNR uma atuação conjunta, propondo o binômio Paz-Lechín, de maior conteúdo popular. Esta proposta se espelhou na ação acordada na triunfante Revolução de Abril, em 1952, quando militares comunistas combateram contra o exército “bajulador” junto ao povo insurreto.

TODA SOLIDARIEDADE AO POVO DO HAITI. INTERVENÇÃO MILITAR NÃO!

Crédito: Martirena (Nota Política do PCB) O terremoto no Haiti não pode ser tratado como uma oportunidade de negócios! O quadro dramático de devastação e dor, com milhares de mortos, feridos e desalojados, em conseqüência do terremoto no Haiti, trouxe grande comoção a todos os povos. O Haiti, um dos países mais pobres do mundo, com índices elevadíssimos de desemprego e analfabetismo, não conta com recursos próprios suficientes para fazer frente à situação – não há médicos, equipamentos de resgate; faltam água e comida, o governo trabalha em uma barraca de campanha. Este quadro de miséria tem origem na história marcada por um violento processo de espoliação de suas riquezas e de seu povo promovido pela colonização europeia e pelos EUA. Colonizado inicialmente pela Espanha, o país teve sua população nativa aniquilada ou escravizada. Seu território foi cedido à França em 1697.

“O papel da esquerda nessa eleição é não cair no jogo da engenharia política”

Crédito: PCB Membro da Direção Nacional do PCB, Mauro Iasi analisa os dilemas da esquerda para 2010 Por Júlio Delmanto Dando continuidade à série “Eleições 2010”, a Caros Amigos entrevistou o doutor em Sociologia pela USP e professor da UFRJ Mauro Iasi. Membro da Direção Nacional do Partido Comunista Brasileiro (PCB), é autor de, entre outros livros, As metamorfoses da consciência de classe: o PT entre a negação e o consentimento, no qual analisa – à luz de Marx e Freud –o que seria, segundo o autor, o processo de adaptação do Partido dos Trabalhadores à lógica capitalista. Iasi esteve em São Paulo participando do Congresso Brasileiro de Estudantes de Comunicação Social (Cobrecos), onde concedeu entrevista sobre as perspectivas para as eleições presidenciais de 2010.

A POLÍTICA DA ADMINISTRAÇÃO OBAMA AMEAÇA A HUMANIDADE

Crédito: ODiario.info Miguel Urbano Rodrigues Recentes iniciativas do Governo dos EUA confirmam que a actual Administração, longe de renunciar a uma estratégia de dominação mundial, se propõe a ampliá-la em múltiplas frentes. Aquilo que parecia impossível há um ano está a acontecer: a política externa de Obama é mais agressiva e perigosa para a Ásia, África e América Latina do que a de George Bush. Mas essa realidade não se tornou ainda evidente para as grandes maiorias, influenciadas pela campanha de âmbito mundial que apresenta o presidente dos EUA como um político progressista e um defensor da paz. Os actos desmentem-lhe, porem, as promessas e a oratória.

Contatos

Contatos nacionais Brasilia – DF SDS. Bloco “R”. Edifício Venâncio V, 3º Andar, Sala 311. Asa Sul. Brasília – DF. CEP.: 70.393 –

Os pecados do Haiti

Crédito: Resistir.info Eduardo Galeano A democracia haitiana nasceu há um instante. No seu breve tempo de vida, esta criatura faminta e doentia não recebeu senão bofetadas. Era uma recém-nascida, nos dias de festa de 1991, quando foi assassinada pela quartelada do general Raoul Cedras. Três anos mais tarde, ressuscitou. Depois de haver posto e retirado tantos ditadores militares, os Estados Unidos retiraram e puseram o presidente Jean-Bertrand Aristide, que havia sido o primeiro governante eleito por voto popular em toda a história do Haiti e que tivera a louca ideia de querer um país menos injusto.

Haiti: estratégia do caos para uma invasão

Crédito: Mrtirena José Luis Vivas ALAI AMLATINA, 18/01/2010 – O terremoto que arrasou Porto Príncipe, em 12 de janeiro passado, oferece um pretexto inexorável para justificar a enésima invasão e ocupação militar do Haiti, já ocupado desde 2004, porém agora diretamente pelos principais promotores dessa ocupação, sem intermediários. Motivos, políticos e estratégicos, não faltam. Assim, serviria para repreender o principal intermediário da atual ocupação, Brasil, que apesar dos bons serviços prestados no Haiti não tem se portado da mesma maneira em relação ao recente golpe de Estado em Honduras.

FORA TODAS AS TROPAS ESTRANGEIRAS DO HAITI

Crédito: Martirena Renato Nucci Junior* A devastação causada pelo terremoto no Haiti acentuou a ocupação militar de seu território por tropas estrangeiras. Às tropas da Minustah, calculadas em 8 mil e sob comando brasileiro, se juntam agora cerca de 10 mil soldados norte-americanos, incluindo 2 mil marines. A desculpa dessa grande presença militar é a de ajudar os sobreviventes do terremoto e auxiliar no esforço de reconstrução do país. Em verdade, mais uma vez o sofrimento do povo haitiano é usado para justificar uma nova intervenção estrangeira.